quinta-feira, 6 de outubro de 2011

VELHOS ESTANDARTES

BANDEIRA DE D. AFONSO HENRIQUES

As Armas que o antigo Portugal usava, julga-se ser "uma cidade branca em campo azul, sobre um mar de ondas verdes e douradas", que significavam o Porto Cale, junto à foz do Douro.

O Conde D. Henrique decidiu acabar com estas primeiras Armas, substituindo-as por uma "cruz azul em campo branco".

Colecção particular
D. Afonso Henriques utilizou as mesmas Armas de seu pai, mas em 1152, após treze anos da Batalha de Ourique e segundo Frei Cláudio da Conceição: "fez El-Rei um juramento do sucesso da Aparição de Cristo na Cruz antes da batalha, e mandou aos seus descendentes, que trouxessem por Armas cinco escudos postos em cruz, e em cada um deles trinta dinheiros, timbre a Serpente de Moisés, por ser figura de Cristo".

D. Afonso Henriques "O Conquistador"
Quadro do mestre Carlos Alberto Santos
Colecção particular*

PEQUENO APONTAMENTO HISTÓRICO:

O MILAGRE DE CAMPO DE OURIQUE
1139/1140

                                                                        42
                                              Mas já o príncipe Afonso aparelhava
                                             O lusitano exército ditoso
                                             Contra o Mouro que as terras habitava
                                             De além do claro Tejo deleitoso;
                                             Já no campo de Ourique se assentava
                                             O arraial soberbo e belicoso,
                                            Defronte do inimigo sarraceno,
                                            Posto que em força e gente pequeno.



                            43
Em nenhuma outra cousa confiado
Senão no sumo Deus que o Céu regia,
Que tão pouco era o povo baptizado
Que, pera um só, cem mouros haveria,
Julga qualquer juízo sossegado
Por mais temeridade que ousadia
Cometer um tamanho ajuntamento,
Que pera um cavaleiro houvesse cento.
Ilustração do mestre Carlos Alberto Santos
Colecção particular*
                                                                44
                                       Cinco reis mouros são os inimigos,
                                       Dos quais o principal Ismar se chama;
                                       Todos exprimentados nos perigos
                                       Da guerra, onde se alcança a ilustre fama.
                                       Seguem guerreiras damas seus amigos,
                                       Imitando a fermosa e forte dama
                                      De quem tanto os Troianos se ajudaram,
                                      E as que Termodonte já gostaram.








Milagre de Ourique - Gravura do séc. XVII
Colecção particular



                     45
À matutina luz, serena e fria,
As estrelas do Pólo já apartava,
Quando na cruz o Filho de Maria,
Amostrando-se a Afonso, o animava;
Ele, adorando quem lhe aparecia,
Na Fé todo inflamado, assi gritava:
-«Aos infiéis, Senhor, aos infiéis,
E não a mi, que creio o que podeis!»




                                                                    
                                                                         46
                                             Com tal milagre os ânimos da gente
                                             Portuguesa inflamados, levantavam
                                             Por seu rei natural este excelente
                                             Príncipe, que de peito tanto amavam;
                                             E diante do exército potente
                                             Dos inimigos, gritando, o céu tocavam,
                                             Dizendo em alta voz: -«Real, real,
                                             Por Afonso, alto Rei de Portugal!»

(Lusíadas, Canto III, Est. 42, 43, 44, 45 e 46)



Estátua de D. Afonso Henriques em Guimarães
no seu local primitivo
Gravura do séc. XIX - Colecção particular


ALGUNS ACONTECIMENTOS
IMPORTANTES DESTE PERÍODO

Batalha de São Mamede (1128)
Batalha de Campo de Ourique (1139/1140)
Batalha de Valverde (1141)
Conquista de Santarém
Quadro do mestre Carlos Alberto Santos
Colecção particular*
Conquistas de: Santarém, Lisboa, Sintra, Almada e Palmela (1147)

Conquista de Lisboa
Gravura do séc. XIX - Colecção particular































Conquista de Alcácer do Sal (1158 ou 1160)

Conquista de Alcácer do Sal
Quadro do mestre Carlos Alberto dos Santos
Colecção particular*
Conquista de Évora (1165)
Conquistas de: Serpa, Juromenha e Montáchez (1166)
Conquista de Beja (1172)



Ilustração do mestre Carlos Alberto Santos
Colecção particular*

* Autorizada a publicação para este blog pelo autor dos quadros e respectivo proprietário das obras de 
   arte.

Texto e ilustrações: marr

1 comentário:

  1. Já estava a estranhar não haver actualizações. Obrigado e continuação de bom trabalho.

    ResponderEliminar