domingo, 26 de janeiro de 2014

VELHOS ESTANDARTES XVIII

ESTANDARTE DO CORPO DE GUIAS

D. PEDRO IV

D. Pedro IV
Com uniforme de Coronel de Caçadores 5
(Colecção particular)


Por força do Decreto de 18 de Outubro de 1830, a bandeira Nacional passou a ser bipartida verticalmente de branco e azul, ficando esta última cor junto à haste e as Armas Reais colocadas no centro da bandeira, metade sobre cada uma das cores.
Decreto de 18 de Outubro de 1830  -   Documento da época
(Colecção particular)

Pequeno apontamento histórico:

O Corpo de Guias, foi criado pelo mesmo Decreto da organização do Exército Expedicionário à Ilha Terceira em 25 de Março de 1832.

O seu comando, durante a defesa do porto, em 1832, esteve a cargo do Coronel graduado João Nepomuceno de Macedo. Na defesa do dia 29 de Setembro desse mesmo ano, o Corpo de Guias distinguiu-se carregando o inimigo de uma forma admirável e enérgica.
Companhia de Guias - Porta estandarte
(Colecção particular)

Na sortida das Antas tomou parte um esquadrão de guias, na coluna comandada pelo Coronel Schwalback.

Na sortida de Monte Crasto, entrou com vinte cavalos, na força de cerca de mil e quatrocentos homens sob o comando do Imperador.
Hino Imperial-Constitucional
Documento da época
(Colecção particular)





Na defesa das Linhas do Porto, de 24 de Março de 1833, trinta oficiais deste Corpo, com oitenta lanceiros e vinte e nove Voluntários Nacionais de Cavalaria, fizeram frente a três esquadrões de cavalaria inimiga que vieram cobrir a retirada da sua infantaria, mas não chegaram a travar combate.





Hino Constitucional  -  Documento da época
(Colecção particular)










Foi este Corpo extinto pelo Decreto de 3 de Abril de 1833, por faltarem oficiais para os regimentos de cavalaria de linha. deste Corpo, fizeram parte oficiais muito distintos, os quais foram louvados pelo "zelo e actividade" com que se comportaram e pelos "serviços" que prestaram, "dando constantes prova de fidelidade"












"O Arquivo Popular" N.º 8 de 24 de Fevereiro de 1838
(Colecção particular)



Texto e ilustrações: marr



1 comentário:

  1. O Ex-Imperador do Brasil, Pedro I nunca foi Aclamado em Côrtes Gerais algumas para que lhe chamemos "Pedro IV" de Portugal. Este traidor só ficou assim para a história, por ter ganhado a chamada Guerra Civil, que de "Civil" nada teve, com as forças estrangeiras da Quadrupla-Aliança. Portanto, nunca foi Rei e a linha da sua descendência, originada por Dona Maria II, foi toda ela usurpadora e colocada no trono pela Maçonaria e pelas armas estrangeiras contra a vontade do povo português.

    Cordialmente,
    Nuno Ramos.

    ResponderEliminar